Núcleo BPI - Pesquisa e Criação em Dança

       A pesquisa artística do Núcleo BPI centraliza-se no desenvolvimento do processo criativo a partir de uma identidade do corpo de cada intérprete. Essa identidade é desenvolvida na relação do intérprete com segmanetos sociais brasileiros específicos e/ou manifestações populares brasileiras, contatados em pesquisa de campo.

     Os espetáculos no Método BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete) vem sendo desenvolvidos de forma contínua desde 1980 com criação, atuação, e posterior direção, de Graziela Rodrigues. Dessa fase destacam-se os espetáculos:

        Graça Bailarina de Jesus, ou Sete Linhas de Umbanda, Salvem o Brasil (1980).

        Caminhadas (1983), Coração Vermelho I (1985), Coração Vermelho II (1986).

     Esses espetáculos tiveram temporadas de apresentações em diversos teatros do Brasil, tendo recebido indicações de prêmios e farta crítica especializada em dança.

     A partir de 1987 o Método passou a ser desenvolvido no Instituto de Artes da Univrsidade Estadual de Campinas, com a ida de Graziela Rodrigues para essa universidade como Docente e Pesquisadora. Dentro da universidade deu-se seguimento às produções artísticas de forma contínua e a instauração oficial do Grupo de Pesquisa NÚCLEO BPI.  Desse período, destacam-se, dentre outros, os espetáculos: Bailarinas de Terreiro (1990); Interiores (1994); Diante dos Olhos (1996); Viandeiras (1990), Veias da Terra (2004). O Nó das Águas (2008); A Flor do Café (2008); Nascedouro; Fina Flor Divino Amor (2011) (www.finaflordivinoamor.com.br).

     Todos os espetáculos dentro do Método BPI estiveram ligados a pesquisa de campo de segmentos sociais específicos e/ ou manifestações populares do Brasil.